20/11/2023 08:17

É preciso ser antirracista: Corinthians promove oficinas com jovens das categorias de base

É preciso ser antirracista: Corinthians promove oficinas com jovens das categorias de base

O vestiário da Fazendinha estava cheio na tarde do último dia 8, uma quarta-feira. Mais de 30 garotos entre 13 e 14 anos se aglomeravam em um canto do espaço, todos de uniforme do Corinthians e calçando chuteiras. Porém, o treino só começaria 1h30 mais tarde.

Antes de irem a campo, os jogadores da base do Corinthians tiveram uma aula, mas não de tática ou fundamentos de futebol. Eles participaram de uma oficina antirracista.

+ Siga o ge Corinthians no WhatsApp

Jogadores da base do Corinthians participam de oficina antirracista — Foto: Bruno Cassucci

Jogadores da base do Corinthians participam de oficina antirracista — Foto: Bruno Cassucci

A iniciativa partiu do Núcleo Educacional Social-Psicológico (NESP) do Corinthians, que aceitou projeto oferecido por Danilo Pássaro, historiador e torcedor apaixonado pelo clube.

– Entendo o futebol como um instrumento de transformação social, que tem impacto gigantesco no imaginário e nas identidades do povo brasileiro – explicou o ativista antirracismo.

– Estava vendo esses casos de racismo e fiquei pensando: os jogadores não se posicionam. Todo mundo falava: "Pô, jogador de futebol brasileiro é tudo ignorante, não se posiciona sobre pauta alguma." Eu disse: isso não é responsabilidade do jogador. Muitos não têm dinheiro para condução, não têm formação, família estruturada, acesso a boa escola. Quando ele realiza o sonho de ser jogador, ele só quer viver o sonho dele, dar uma casa para mãe, comprar um carro.

– A gente fica esperando do sujeito uma coisa que a sociedade nunca ofereceu para ele. Para mim, essa responsabilidade dos clubes, pegar os atletas desde a base e formá-los sobre tudo, sobre as pautas contemporâneas. Não é admissível ter jogador racista ou que assedia e estupra mulheres – opinou Danilo Pássaro.

Filho de Fagner faz gol de falta em Dérbi pelo sub-13 do Corinthians

As oficinas começaram há pouco mais de um mês e já receberam três categorias diferentes. Em cada uma delas o professor utilizou abordagens diferentes, de acordo com a idade dos jogadores.

Na oficina acompanhada pelo ge , Danilo Pássaro exibiu um trecho do podcast "Mano a Mano" em que o rapper Mano Brown entrevista Ronaldo Fenômeno. A partir de algumas falas do ex-jogador, o professor debateu questões de raça, a história da escravidão no Brasil e o conceito de racismo estrutural.

Dentre os interessados alunos estavam os filhos do zagueiro Gil e do lateral Fagner (veja acima gol do garoto contra o Palmeiras) , que jogam na base alvinegra.

– É muito importante esse debate, ainda não somos tão maduros para saber as coisas, mas é uma base para a gente. Serve para a vida inteira – comentou Kauê Buratti, que tem 13 anos e joga como meio-campista.

Em diversos momentos, os garotos interagiram com Danilo. Um relembrou um caso de racismo presenciado, outro contou do que aprendeu nas aulas de História, e não faltaram perguntas embaraçosas para o professor:

– Se os políticos são quase todos brancos, como esperar que eles mudem as leis a favor dos pretos? – indagou um dos jovens atletas.

Jogadores do sub-12 do Corinthians em oficina antirracista — Foto: Divulgação

Jogadores do sub-12 do Corinthians em oficina antirracista — Foto: Divulgação

Além do combate ao racismo, o NESP periodicamente aborda outras questões extracampo com os garotos, como machismo, xenofobia, dependência química, entre outros temas.

– A gente acredita que estamos contribuindo nessa formação, envolvendo as famílias, e pensando em um cidadão crítico – explicou a assistente social Regiane Cristina Ferreira.

– Os jogadores gostam muito. Conforme eles vão crescendo, a gente vai percebendo essa maturidade. Dois anos atrás, os atletas do sub-20 até se posicionaram numa questão que envolvia o combate à violência contra a mulher – completou a profissional, que está há 17 anos no Corinthians e compõe o NESP com a psicóloga Dominique Gonçalves e a orientadora educacional Rebeca Peridis.

A oficina com os garotos do sub-13 fluiu tão bem, que por pouco não atrasou o treino daquele dia. Antes de se despedir dos alunos, Danilo Pássaro ensinou uma frase para a turma, repetida em alto e bom som:

– Não basta não ser racista. É preciso ser antirracista!

?? Ouça o podcast ge Corinthians??

+ Assista: tudo sobre o Corinthians na Globo, sportv e ge

50 vídeos


VEJA TAMBÉM
- CRITICOU! ídolo corinthiano falou sobre a atuação de alguns titulares no empate contra o Athletico
- Confira as avaliações dos jogadores em Athletico x Corinthians
- FOCO! Cacá elogia atitude da equipe no empate contra o Athletico









963 visitas - Fonte: ge

Mais notícias do Corinthians

Notícias de contratações do Timão
Notícias mais lidas

Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar!

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui ou Conecte com Facebook.

Últimas notícias

publicidade

Brasileiro

Dom - 16:00 - Ligga Arena -
X
Atletico Paranaense
Corinthians

Brasileiro

Qua - 21:30 - Orlando Scarpelli
1 X 0
Internacional
Corinthians
publicidade
publicidade
publicidade