20/11/2019 15:10

Coelho comenta sobre o racismo e a situação de técnicos negros no Brasil

Técnico do Corinthians lamenta problema no país: “Nunca foi fácil, mas temos condições de mudar esse cenário

O Corinthians tem apenas o terceiro técnico negro dentre os times da Série A. Dyego Coelho assumiu o comando do clube até o final da temporada e, assim, reforça uma estatística dura para os profissionais do esporte que tentam ser treinadores de futebol profissional, unindo-se a Roger Machado, comandante do Bahia, e Marcão, do Fluminense – os dois, também, ex-jogadores de futebol.



LEIA TAMBÉM: Junior Urso chora o falar de racismo, em vídeo publicado pelo Corinthians

Um dos Filhos do Terrão, Coelho foi revelado pelo Alvinegro no início dos anos 2000. Chegou a atuar no futebol europeu e em outras equipes do Brasil, até que se aposentou em 2014. Já no ano seguinte começou a carreira como treinador nas categorias de base do clube, onde se tornou, neste ano, o técnico principal do time Sub-20.

Agora como comandante do Timão, ele é protagonista na beira do gramado em um momento que é importante não só na vida profissional, mas também na pessoal: ganha voz no mês de novembro, que marca o feriado da Consciência Negra. Coelho, então, analisou os problemas que profissionais como ele, técnicos de futebol negros e, antes de tudo, pessoas negras, enfrentam no país. Afirma, ainda, que não julga as reações de quem foi ofendido racialmente. E pede mudança na sociedade.

Confira a entrevista com Dyego Coelho, técnico do Corinthians:

- Em primeiro lugar, como você vê a sua carreira como técnico? Sempre sonhou se tornar treinador quando ainda era jogador?

Ainda estou apenas começando a minha carreira. Brinco sempre que aprendo demais dia após dia com todos.

- Você já sofreu racismo de forma direta? Recorda-se da primeira vez que isso aconteceu na sua vida?

O racismo está dentro da nossa sociedade. Cansei de ir a restaurantes, por exemplo, e ser observado dos pés à cabeça por ser negro.

- Sabendo da dificuldade que os técnicos negros encontram no futebol brasileiro, como foi a decisão de se tornar treinador?

Foi a minha paixão pelo futebol que me fez querer ser técnico. Só de ter tomado esta decisão, já sabia que não seria fácil. Afinal, se formos pegar as Séries A e B, são apenas 40 pessoas que têm este cargo. Se juntarmos só os negros, este número diminui ainda mais. Mas é como disse na coletiva após o jogo contra o Inter: pouco a pouco, estamos conquistando o nosso espaço.

- Como uma pessoa pública que você é, como acha que jogadores devem reagir ao racismo que enfrentam nos campos de futebol?

A reação vai muito de cada um e não me sinto capaz de julgar alguém que reage mais veementemente, como o Taison ou o Balotelli fizeram. Cada um sabe a dor que sente e, muitas vezes, há gente querendo ditar demais o sentimento dos outros.

- Para você, o que explica o comportamento racista de torcedores e/ou adversários nos estádios?

O fato de o racismo estar dentro da nossa sociedade desde sempre. As pessoas cresceram escutando piadas racistas e acham que isso é normal. Pouco a pouco, isto está mudando, mas, a cada caso que vemos no esporte, fica claro que o caminho a ser percorrido é muito longo.

- Você se juntou agora a Roger Machado e a Marcão, e é apenas o terceiro técnico negro na Série A. Para você, qual a importância da sua trajetória para a população negra que luta por um espaço no esporte mais importante do país?

É mais um passo de uma caminhada bem longa. O mundo ideal é aquele em que a cor da pele não inferioriza ou superioriza ninguém. Eu não posso ser considerado bom ou ruim por ser negro. Eu tenho que ser considerado bom ou ruim pelo meu trabalho.



- Para você, qual é a mensagem que o Dia da Consciência Negra transmite não só aos negros, mas a toda a população brasileira?

Nós estamos procurando o nosso espaço e nós vamos chegar lá. De uma maneira ou de outra. A gente tem que fazer por onde. Fazer com que as coisas funcionem independentemente da cor. Não é uma situação fácil, como nunca foi historicamente, mas nós temos condições de mudar este cenário.

Corinthians, Coelho, Racismo, Entrevista, Timão



LEIA TAMBÉM: Luan, Thiago Neves e Deyverson... Diretor alvinegro abre o jogo sobre especulações

LEIA TAMBÉM: [COMENTE] Para você, por quais motivos Ramiro não vingou como esperado pelo clube e torcida?

LEIA TAMBÉM: Caixa Econômica e Corinthians pedem adiamento do processo por mais 60 dias



1020 visitas - Fonte: corinthians.com.br

Mais notícias do Corinthians

Notícias de contratações do Timão
Notícias mais lidas

Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar!

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui ou Conecte com Facebook.

Últimas notícias

Próximo Jogo - Campeonato Brasileiro

Dom - 16:00 - Arena Corinthians - Premiere
Corinthians
Fluminense

Último jogo - Campeonato Brasileiro

Dom - 16:00 - Arena Corinthians
Corinthians
1 2
Fluminense
Untitled Document
Classificação
1 Flamengo
2 Santos
3 Palmeiras
4 Grêmio
5 Atletico Paranaense
6 São Paulo
7 Internacional
8 Corinthians
9 Fortaleza EC
10 Goiás
11 Bahia
12 Vasco DA Gama
13 Atletico-MG
14 Fluminense
15 Botafogo
16 Ceará
17 Cruzeiro
18 CSA
19 Chapecoense-sc
20 Avai
P J V E D GP GC SG ÚLT. JOGOS
90 38 28 6 4 86 37 49 VVVVD
74 38 22 8 8 60 33 27 VDVDV
74 38 21 11 6 61 32 29 DDDVV
65 38 19 8 11 64 39 25 VDVVD
64 38 18 10 10 51 32 19 VVEVE
63 38 17 12 9 39 30 9 EVDVV
57 38 16 9 13 44 39 5 EDVDV
56 38 14 14 10 42 34 8 DVDVD
53 38 15 8 15 50 49 1 EVVEV
52 38 15 7 16 46 64 -18 VVDDV
49 38 12 13 13 44 43 1 DEVED
49 38 12 13 13 39 45 -6 EDVEE
48 38 13 9 16 45 49 -4 DEVVD
46 38 12 10 16 38 46 -8 VVEEV
43 38 13 4 21 31 45 -14 VVDDE
39 38 10 9 19 36 41 -5 EDEDE
36 38 7 15 16 27 46 -19 DDDDD
32 38 8 8 22 24 58 -34 DVDDD
32 38 7 11 20 31 52 -21 VDDVE
20 38 3 11 24 18 62 -44 DDEDE
Libertadores Pré-Libertadores Sul-Americana Rebaixados
vitoria empate derrota